SEJA BEM VINDO AO MEU BLOG...





PLÁGIO É CRIME



POEMAS REGISTRADOS




sábado, 29 de maio de 2010

Mensagem subliminar


Foi tão nítido
seu afeto constante
que tornou-se permanente
em minha memória
e agora tenho que decifrar
este confuso enigma
amor inconscequente
nascido no inconsciente
criado com muito esmero
Como uma mensagem subliminar
uma virtude do meu cotidiano
um vício para a minha sobrevivência
algo que comprova
a minha pouca lucidez



terça-feira, 25 de maio de 2010

Um protesto justo

Protesto pela vida daqueles que não podem falar
defendo aqueles que não tem pecado algum
Seres indefesos que pelo homem é maltratado
o filhote lactente que de sua mãe é separado
o animal de pelagem exótica
cujo seu couro é arrancado
pobres ruminantes
que tem em suas costas uma lança enfiada
num espetáculo de horror
promovido pelo ser humano
para que ele possa exibir
sua própria imbecilidade
temo pela vida de certos animais
que em laboratórios
e rituais de magia negra
serão utilizados
um protesto justo
pelos seres que sofrem
e na vida são injustiçados
mas aqueles que judiam
mais tarde pagarão
e serão desgraçados

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Surrealismo



Perante meu desatino
torno evidente o meu sofrer
e me encontro sem forças
para solucionar o que tanto me aflige
assassinei tudo aquilo
que me alegrava
e me transformei num estorvo
para a vida alheia
mesmo depois da tempestade
sempre se mostra indene
e apesar de ser tratado
com tanto escárnio
me ama e me adora
diz que sem mim não viverá
amor surreal
de alta periculosidade
nem mesmo Lùcifer
compreende tamanha confusão


Invejosa

Beijo-te com lábios venenosos
como uma serpente
pronta para dar o beijo da morte
Toco-te com mãos frias
mãos de um defunto
deitado no caixão em pleno velório
Olho-te com olhos raivosos
como um animal feroz
pronto para atacar
Invejosa eu sou por que a vida
não é justa comigo
tenho tudo para ser feliz
mas a felicidade não consegue
ultrapassar as barreiras
do meu rancor
Invejo a tua alegria
Invejo o teu sorriso
como consegue sorrir vivendo
neste mundo cruel?
como sempre consegue acordar
de um pesadelo inacabável?
mas mesmo com tanta inveja
eu ainda te admiro
pois apesar de tudo
você insiste em me amar

Regeneração

Sinta o aroma da chuva
e neste deleite da natureza
extermine os maus sentimentos
e recorde comigo
dias belos e inusitados
que passamos juntos
contemplando a noite
sentindo o gosto da chuva
num prazer imensurável
de estarmos unidos
lembre-se de mim
que eu irei me regenerar
completamente para você
mas procure não cogitar
faça sem pensar nas consequências
como um ser hábil e sensível
que sempre foi
prometo deixar o bem
me manipular
só para ao seu lado ficar
mudança repentina e espantosa
pois não há adversidades
que me faça te esquecer



Noite Lacrimosa


Acaba-se o dia e a noite chega
noite lacrimosa
que desperta meus instintos
minha ira de viver
eterna insônia
libera mais uma lástima
neste sono difícil
que não me chega aos olhos
desejo mórbido de dormir
sem precisar mais acordar
esta é a sinopse da minha vida
queria voltar no tempo
para o meu erro reparar
e quem sabe assim
poder dormir
sem ter que sentir
minha cabeça latejar
dor crônica que tende a incomodar
desejo de me curar
sem recíproca


Rancor noturno

Neste medíocre estado de ser
devo eu sucumbir na solidão
desonrei o meu nome
quando resolvi te renegar
ser indulgente
capaz de sempre me perdoar
e diante do padecer
de cada dia
devo eu a minha vida
renunciar
não espero depois de tanto
sofrimento
um dia a vida me recompensar
pessoa indigna eu sou
incapaz de me recuperar
de um rancor noturno
que sempre vem me visitar
e traz com ele muitas lágrimas
num sentimento culposo
de nunca mais poder
te abraçar


domingo, 23 de maio de 2010

Minha dádiva


Doce meiguice
para neste poema
me inspirar
é a prova viva
de minha fertilidade
menina linda
que no amor foi concebida
és minha dádiva
meu motivo de sorrir
amor verdadeiro
que não me deixa cair
com ela compartilho
do meu sangue
para que eu sempre
possa lembrar
que há um pedacinho
de mim no qual
eu devo me orgulhar
minha dádiva
minha filha
em meu coração
você sempre estará
não sou rainha
mas princesa você
sempre será

Minha solidão


Minha solidão
é a flecha que atravessa
o meu peito
fere o meu corpo
destrói a minha alma
corta minha carne
e incentiva a minha vontade
de morrer
mesmo na multidão
ela me persegue
e impede que a alegria
me contagie
minha solidão
é o meu medo
meu medo de ser feliz
a solidão me adoece
e depois me cura
Oh, solidão vá embora
oh, solidão não me deixe
não me deixe sozinha
pois mesmo sem querer
eu sei que preciso de ti
minha única amiga


Utopia


Envenenarei minha saudade
com o amor existente
no calor dos seus braços
ceifarei o meu ódio
no mais doloroso desanseio pela vida
velarei pelo teu sangue
e sempre que cair
tentarei ressuscitá-lo
viva comigo um sentimento esperançoso
que agora desconheço
mas se tornará explícito
ao deitar em seu leito
e realizar o meu sonho
de adormecer
ouvindo-te respirar

Isolamento

A solidão que me adoece
é a mesma que me fortalece
eu quero me isolar
e não precisar mais ver ninguém
não quero ver a luz do dia
eu quero definhar
para continuar a escrever
meus poemas que me fazem esquecer
da vida inútil
transbordada de lamentos
eu quero enlouquecer
para quem sabe um dia
ao acaso ser lembrada
como uma pessoa dissimulada
que se fecha completamente
e à solidão se entrega
eu quero falecer
para não mais precisar
ver o dia amanhecer

Overdose de tristeza


Um porre na calada da noite
para esquecer meu martírio
embreaguez total para me livrar
do tédio
coma alcóolico irreversível
sem uma ressaca para contar historia
superdosagem de calmantes
para acalmar o meu ódio
medicamento tarja preta
para uma vida tão turbulenta
intoxicação bizarra
não há lavagem estomacal
para reverter o meu quadro
overdose de tristeza
me ajudará a morrer

União Perpétua

Casei-me com um martírio no qual eu venero
união perpetua que simboliza em minha vida
meus laços com o sofrimento
minha ternura masoquista
casamento eterno
carregando sempre um buquê
de rosas negras regadas com minhas lágrimas
buquê que se compara a minha dignidade
união que estimula
o meu apetite pela insanidade
e me faz pensar que sofrer em excesso é natural
casamento oriundo da infelicidade
sentimento que me faz apelar pela loucura
e banaliza todos os pensamentos confusos
e apedreja o que restou
da minha mente sã

Mania masoquista

Lâmina fina desliza
e rasga o meu pulso
deixando sempre
uma nova cicatriz
tanto na pele
quanto na alma
a falta de coragem
não me deixa romper
a artéria principal
desejo inatingível
sentimento inaudito
a falta de fé
não me deixa parar
continuo então a me cortar
lâmina fina guardada
em meu bolso
para sempre saciar
a minha mania masoquista

Espelho

Minhas palavras definem
o que eu sou
o espelho não mente
mas omite a verdade
me vejo como a escuridão
silenciosa e cheia de mistérios
mas no fundo sei
que não há mistérios
apenas uma fantasia
para minha amargura
coração que já foi inteiro
agora se mostra quebrado
alma que já foi presente
agora está afastada
perdida e desorientada
o corpo está aqui
mas ele vegeta
até mesmo o espelho
se recusa a refletí-lo

fantasma13

Anjo da guarda

Entre em minha vida
e sirva de escudo
para o meu sofrimento
me ajude a viver
e eu lhe serei grata eternamente
caia em tentação
e se prenda à minha teia
de angústias
seja forte e resista
se sabe de meus martírios
por que insiste em ficar?
Seja o meu anjo da guarda
e guie-me nos momentos difíceis
seja a minha esperança
e ressuscite a minha vida



Carta de amor

Palavras minhas foram escritas
numa carta de amor
inteiramente dedicada à você
nela eu coloquei tudo o que me inspirava
tudo o que fazia crescer
meus bons sentimentos
minha vontade de viver
minha completa paixão por você
Carta de amor verdadeira
feita com carinho
e em cada palavra escrita
aumentava minha vontade
de dizer simplesmente
EU TE AMO...
mas infelizmente esta carta
não foi entregue
ela foi enterrada nas profundezas
de um jardim abandonado
e com o tempo as palavras desta carta
foram apagadas e esquecidas
não restou nenhum verso
em minha memória
nenhum sentimento bom
para contar história
e assim como esta carta
meu corpo se decompos
e junto com ele
todo o sentimento de amor


Pecadora


Ao relento me exponho
para sentir a brisa noturna
e sob um luar acolhedor
reflito sobre os meus erros
e dou ênfase a minha condição doentia
de nunca estar feliz
ou de sempre estar triste
desenvolvo ainda mais
o meu complexo de me sentir
fraca e incapaz
e devo tudo isso a uma
vida passada
pecadora e conturbada
que me faz redimir
e proporciona um
arrependimento em vão
pois nunca terei
o perdão divino

neon20

A mercê dos abutres


Vivo dias de tristeza
a dor e a angústia me dominam
fazem de mim sua escrava
depressão oriunda do inferno
doença maldita que me possui
faz de mim sua enferma
pensamentos melancólicos
habitam minha mente
sentimentos agonizantes
começo o dia aos prantos
vivo dias de pesadelo
a fé e a alegria não se aproximam
faço de mim um corpo em decomposição
e me entrego a mercê dos abutres
Vida hedionda, vida indesejável
faz de mim sua cobaia
loucura incessante dentro da minha cabeça
desejos incompreensíveis
e no final do dia caio em desgraça

Desejo suicida


Te dedico este poema
para que eu sempre possa lembrar
o quanto te admiro
nesta vida incrédula
na qual eu devo decifrar
exercitando a minha paciência
de sempre suportar sangrar
pela tua ausência
apresento um sintoma incurável
sintoma que se chama saudade
o pensamento em ti
em cada melodia que escuto
o coração bate mais forte
numa ânsia lastimosa
desejo suicida
apenas para ficar perto de ti
te dedico a minha vida
num anseio de sempre
querer te ver feliz


Corpo e alma

orkut e hi5, Borboleta, mulher, borboleta, glitter, mensagem com borboleta

Maldito corpo que sustenta
minha alma
corpo sujo e deformado
que apenas reflete
minha consciência
Alma negra e corpo de pecado
no espelho me olho e sinto desgosto
vergonha deste corpo tão judiado
abatida e pálida
é a minha aparência
cansaço e fraqueza
denuncia minha alma pesada
a cor preta define meu espírito
luto eterno, por toda a vida
corpo que definha
alma que se fecha
ambas se entregam ao relento
e de alguma maneira
deixam de existir

Apocalipse



Num delírio rotineiro
omito a minha tristeza
para não lembrar
o que realmente sou
me alimento do suplício
que minha vida
já alcançou
pensamentos nostálgicos
que sempre interferem
no meu sofrido presente
e me afundam cada vez mais
na temível depressão
conduzindo o meu ser
para um apocalipse sem fim
me tirando a paz
e a alegria de viver


Meu túmulo



Em meu jazigo abandonado
ajoelhe sobre mim
e rotule o meu ser apático
transformando-o num ser indefeso
que eu mesma permitirei
o meu descanso eterno
faça chover sobre o granito
limpando assim a poeira
que habita em meu túmulo solitário
não reze, não chore por mim
e antes de ir embora
permita-me te possuir
e entrar em sua mente
para que você saiba
o quanto eu sinto
por te deixar


Auto-mutilação

Veja o sangue que do meu pulso escorre
é o mesmo sangue que pinga
em momentos de demência
depressão e lâmina
uma péssima combinação
tentando aliviar meu martírio
o lítio não me salvará
apenas o ensaio para o suicídio
auto-mutilação
me ensina a ter coragem
para expor assim
a minha insanidade
veja minha perturbação
neste mundo de ilusão
quem dera não ter nascido
viver é minha penitência
lâmina corta fundo
e o sangue jorra na parede
último suspiro para aliviar meu sofrimento
auto-mutilação
me levará para o caixão

sábado, 22 de maio de 2010

Imortal

Minha esperança de ti
Me mantém viva
Que estas palavras
Te façam perceber
Tudo o que esse tempo
Eu não pude dizer
O silêncio que nos afastou
Será a melodia que nos unirá
Me guardarei para ti
Enquanto eu respirar
E você sabe disso
Sei que estarás vivo
À minha espera
Este sentimento nunca morrerá
Nosso encontro será imortal
Pois este poema um dia
Se apagará